Pedaços de Vida


Isabel Cosme

 
REVOLTA

Revolta é um estado de confronto
Entre consciente e inconsciente,
Mísero desalento arrogante
Indignação, protesto, amedronto
De interrogação permanente
Neste mundo imundo, inconstante...

Rebeldia prematura, inerte e fria
Descarrega raiva, ódio e morte
Num ato infame de terrorismo
Que a fúria insana e louca cria
Com uivos de macabra sorte
Num ato insano de patriotismo.

E numa dor agoirenta de terror
Inocentes pagam com a vida
A desordem da humanidade
Neste cenário ungido de horror, Corrupta forma desmedida
Desta barbara e cruel sociedade...

E assim a elite e o proletariado
Vivem instantes de agressão.
Constantes e vãos contratempos
De contra-senso tão macabro
De fraude, mentira e corrupção
No decorrer destes tempos...

. .. E o tempo passa sem graça
Envolto nesta desgraça....
I. C.
24/03/2016


*****************************************************************


Noite!...
Abraça-me!...
Fala comigo
Em silêncio...
Sê minha
Companheira!...
Vem!!!
De mansinho,
Suavizar,
O meu querer
Do teu coração
No meu peito.
Da minha alma
No teu ser!...
Embriaga-me...
Vem!
Quero-te ter...

I. C.

******************************************************************



 NINGUÉM ESTÁ SÓ...
Existe dentro de nós um baú, em forma de sacrário, onde estão metidas todas as nossas vivências, todos os nossos desejos, todos os nossos contratempos, e, por incrível que pareça, a forma como resolver tudo o que nos amedronta ou parece impossível.
SOLTEMOS O QUE NOS AMARRA...
Sejamos nós.
Sejamos o "eu" escondido e sufocado, numa liberdade própria.
Vivámos de acordo com o que pensamos, com o que temos de melhor, o nosso querer, e, façamos acontecer o que os sentidos e a intuição nos dizem de uma forma única e despreconceituosa...
NINGUÉM É INCAPAZ...
Agarremos aquele dom que nos liberta.
Façamos do nosso planeta interior o nosso planeta exterior e construámos a vida com que sempre sonhámos, porque viver não é só ter. Viver é ser e sentir e fazer acontecer.
NINGUÉM ESTÁ SÓ... PENSE
ISABEL COSME
(I. C )


************************************************************************************************************


  
Um todo...
Um tudo...
Um muito...
Um não sei quê,
Nem porquê
Existe
No teto
E no chão
Do mundo...
...Nós e o ambiente
Numa interrogação
Permanente!!!...
Isabel Cosme
I. C.


******************************************************



QUERO IR

Quero ir, áquele lado de lá,
Onde o fascínio da vida,
É um conto misterioso,
Quase sempre fogoso
Num horizonte sem fim!...
Vem comigo nesta passagem!...
Não precisas de bagagem,
Para seguirmos viagem.
Pega na imaginação
Que é barinha de condão,
Pega na magia do querer!...
Tráz contigo os sentidos,
Tráz na alma a vontade,
A força da liberdade,
Esse feitiço encantado,
Sempre! Sempre sublimado
Que nos levará áquele
E a qualquer lado!!!...
I. C.


************************************************************************



A alma não tem idade
Num corpo que envelhece...
Tem sempre a jovialidade
Que o tempo amadurece.
...
A idade é um império...
Experiência para a vida.
Tempo que empalidece
Com a chegada da ida...
...
E o corpo enruguece...
A lembrança se esvai.
O passado se esquece
E o que permanece
É um olhar de ternura
Numa voz silenciosa
Que grita saudosa
O tempo da formosura...
I. C.


**************************************************************

Ser!!!...

É ouvir, é falar,
Sorrir, acarinhar
E ver!..
Sentir na alma
Cada dia!..
Abraçar
Com alegria,
O pouco
No muito a dar...
É despir
O materialismo
E viver
Até ao anoitecer,
O amor sem conformismo.
É usar o sorriso
E investir na felicidade,
Sem esperar retrocidade.
Ser!...
É ir sem destino,
Descobrir o que temos
E tanto esquecemos...
É escutar a voz
Que temos dentro de nós...,
Fazer eco da humildade,
Num tempo sem idade.
Viver é agora!!!
Agarremos o nosso ser,
Com afinco. Sem demora!!!...
A vida já é tão rude...
Não deitemos a atitude,
Nem o humanismo fora...
I. C.


*********************************************************


 O Inverno chega...

Tentamos colorir a vida
Mas o Inverno chega. .
São beijos de ternura,
angelicais...
Mãos que se tocam
Num toque suave...
E o Inverno chega...
Os lamentos, os ais
São dores reais
Do entardecer...
Mas a ternura
É um abrigo seguro
Que ameniza o Inverno
E o faz menos duro...
I. C.